Língua e Linguagem – Revisão para Concursos 2019

Este é o primeiro artigo nessa nova fase editorial aqui em nosso site.

Isso porque resolvemos, eu e minha equipe, direcionar nossas forças para ajudar um número maior de pessoas.

Por meio de uma pesquisa em nosso instagram, acabamos chegando a um tema comum: concursos públicos e revisão.

Por isso mesmo é que iniciamos nossas atividades com um review sobre o Guia para passar em concursos públicos em um ano.

Agora, estamos começando uma fase de textos teóricos sobre os diversos temas que caem em concursos públicos, sejam eles federais, estaduais ou mesmo municipais.

Você sabe tudo de Língua e Linguagem?

Leia a tirinha abaixo

A compreensão da tirinha apresentada fundamenta-se na leitura de linguagem verbal e não verbal. Por linguagem, entende-se qualquer sistema organizado e simbólico de signos que serve para a intercomunicação social.

Por meio da linguagem, o ser humano constrói e articula conhecimentos e experiências. Segundo o linguista Câmara Júnior, a linguagem é, pois, a “faculdade que tem o homem de exprimir seus estados mentais por meio de um sistema de sons vocais chamado língua, que os organiza em uma representação compreensiva em face do mundo exterior objetivo e do mundo interior subjetivo. Pela atividade da linguagem, ou fala:

  • faz-se a comunicação entre os homens:

– para a transmissão de conhecimentos (função de informação);

– em uma atuação de influenciamento psíquico de uns sobre os outros (função de apelo).

  • dá-se a exteriorização das paixões humanas sem intento direto de comunicação (função de exteriorização ou manifestação psíquica).”

Ainda de acordo com o linguista, “a linguagem se realiza, em princípio, numa espécie de drama entre o falante (a pessoa que a transmite) e o ouvinte (a pessoa a quem ela se dirige) na base de um assunto (a parcela de representação mental que nela se consubstancia).”

O signo linguístico é, segundo Câmara Júnior, “uma relação entre a sua significação, ou significado, e o corpo fonológico que dá a significação, ou significante.”

Para que se estabeleça uma comunicação, ou seja, emissor e destinatário compreendam a mensagem, é preciso que os interlocutores compartilhem o mesmo código.

Na tirinha, a linguagem verbal utiliza a língua escrita, e a não verbal, signos que não são palavras.

A leitura verbal mobiliza dois códigos distintos e desconhecidos dos interlocutores, duas línguas que não são compartilhadas entre as personagens, o que inviabiliza a comunicação.

As falas do rato Níquel relatam que não há necessidade de tradução, ou seja, a transposição da mensagem de uma língua para outra.

A leitura dos elementos não verbais (as expressões faciais, os desenhos, o tamanho maior dos sinais que representam a fala dos extraterrestres no último quadrinho) concorre com as informações de que os interlocutores de Níquel acataram sua sugestão gestual e sentaram na ratoeira, justificando a fala do último quadrinho, provavelmente um xingamento, cuja tradução Níquel dispensa.

A língua é um sistema de signos linguísticos pertencente a um grupo de indivíduos; por meio desse sistema, é elaborada a compreensão do mundo que cerca esses indivíduos e com o qual interagem.

A língua é versátil, pois acompanha, paralelamente, a evolução do grupo social que a criou e que a utiliza para se expressar.

Por isso, a língua é dinâmica e maleável: enquanto algumas palavras caem em desuso, outras são criadas e incorporadas ao léxico, para atender às novas necessidades comunicativas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *