Meditação Do Dia – O Bom Humor

Leitura: Isaías 12.1-5

“O que o justo almeja redunda em alegria…” (Pv 10.28).

O bom humor é a disposição boa e alegre do coração, da mente e do espírito. Pessoas bem humoradas vivem mais e fazem coisas além do esperado delas. Tanto o mau como o bom humor são inatos, mas podem ser aprendidos, adquiridos e mudados. Este aprendizado torna o bom humor parte da personalidade da pessoa. Já o mau humor, é um terrível estado de aborrecimento interior que paralisa, amargura e produz uma visão pessimista da vida.

Embora não pareça, o bom humor independe de dinheiro, de sucesso, de amor, de uma boa profissão ou de uma situação estável. O bom humor resulta de forte e determinada segurança interior. Para ser uma pessoa bem humorada, veja qual é a primeira instrução de Deus quanto a segurança interior: “mas quem me ouvir viverá em segurança e estará tranqüilo, sem temer nenhum mal” (Pv 1.33).

Se der ouvidos a Deus, seu coração ganhará estrutura para o bom humor. Quem ouve e pratica a Palavra de Deus, terá sono seguro, paz interior e boa disposição ao amanhecer. Se você se colocar inteiramente sob a segurança de Deus, o bom humor nascerá em você como a luz da manhã. A realidade da segurança interior está nas seguintes palavras de uma pessoa que a conhecia bem: “Em paz me deito e logo pego no sono, pois só tu, SENHOR, me fazes viver em segurança” (SI 4.8).

Se o seu coração, sua mente e seu espírito estão sob a segurança de Deus, seu bom humor brilhará como a luz do dia, naturalmente. Deus pode ajudá-lo a ser uma pessoa bem humorada. Abra-se para esta ajuda.

O bom humor no cristão tem seu fundamento na segurança que Deus oferece.

Meditação Do Dia – Amoroso

LEITURA: Jeremias 3.11-14

“Não mais franzirei a testa cheio de ira contra você, pois Eu sou fiel…” (Jr 3.12).

Todo ser humano tem segredos que não ousa compartilhar, às vezes até mesmo com o cônjuge. Normalmente, são assuntos que trazem certo desconforto.

No entanto, é preciso lembrar que, para Deus, não há segredos. Ele conhece você, e tem na palma da mão tudo quanto você acredita que ninguém saiba. Deus sabe até as coisas que pensamos e Ele tem registrado cada palavra nossa. Contudo, embora Deus nos conheça intimamente, Ele ainda nos diz: “Dá-me o teu coração…” (Pv 23.6). Deus não se envergonha e nem está irado com nossos segredos, mas está nos convidando para um novo relacionamento amoroso.

Para que possamos entender a preciosidade do convite, Deus se põe na condição de marido enganado pela esposa e mesmo diante de tão grande ofensa ainda pergunta: “você tem se prostituído com muitos amantes e, agora, quer voltar para mim?” (Jr 3.1)

Embora vivamos sob a graça de Deus, certos desejos e estilo de vida podem roubar o que de direito pertence a Ele, caso coloquemos nossa esperança, de felicidade em outros objetos e até mesmo em alguma pessoa. Mas mesmo assim Deus ainda nos diz: “volta para mim” (Jr 4.1). Portanto, não fujamos mais. Não vamos nos envolver com nenhum outro pretendente que se vista como possibilidade de esperança de felicidade.

Voltemos para Deus. Ele conhece os nossos segredos, mas não nos trata como merecemos. “Volta para mim”. Deus aguarda nosso retorno. Ele já saiu ao nosso encontro, como um pai sai para a abraçar o filho que retorna ao lar.

Por maior que seja o pecado secreto, a graça de Deus o supera.

Meditação Do Dia – Adoração ao Senhor

Leitura: Atos 2.42-26

“…louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo” (At 2.47).

Há diversos tipos de igrejas e modelos de culto. Cada cidadão é livre para decidir se deseja participar, em que lugar e horário. A liberdade religiosa é garantida pela Constituição do Brasil. Os cristãos olham para a Bíblia, e dela extraem o tipo de culto que desejam oferecer ao Senhor. Há diversos modelos, mas o que os primeiros cristãos faziam em Jerusalém era maravilhoso. Quando se reuniam, tinham propósitos bem definidos.

Um ponto importante era “o ensino dos apóstolos” (At 2.42). É importante conhecer as razões da nossa fé em Cristo, e para isto acontecer é preciso gastar tempo no estudo da Palavra de Deus, com líderes que de fato conheçam a Palavra. Outro ponto importante era “a comunhão, o partir do pão e as orações” (At 2.42-44). Deus planejou que os cristãos vivessem reunidos. Dificilmente alguém consegue manter sua fé em Cristo isolado, sem nenhum contato com os irmãos na fé.

Na comunhão de uns com os outros, encontramos o encorajamento necessário para seguir em frente, e não desistir. Outra característica deste grupo inicial era a capacidade de atender necessidades materiais dentro do grupo (At 2.45). Esta é uma forma prática de adorar ao Senhor. Os cristãos foram chamados para as boas obras (Ef 2.10). Somado a tudo isto, havia alegria e sinceridade de coração.

A Bíblia diz que Deus deseja ser adorado “em espírito e em verdade” (Jo 4.24). Podemos ter preferências por modelos, mas jamais devemos abrir mão do conteúdo. O verdadeiro culto enaltece somente ao Senhor, anuncia Suas maravilhas, aproxima-nos uns dos outros e nos mantém fiel à Sua Palavra.

Tudo o que tem vida louve o Senhor! Aleluia! (SI 150.6).

Meditação Do Dia – Privilégios!

Leitura: Isaías 45.9-13

“Fui Eu que fiz a terra e nela criei a humanidade” (Is 45.12).

Quando pensamos sobre o universo, constatamos dados surpreendentes. Por exemplo, Júpiter sofre forte tempestade ácida há 450 anos. Marte, tão próximo da Terra, ainda é uma montanha de dúvidas para os cientistas. Por que será que Deus, quando criou o universo, deu à Terra uma natureza tão extraordinária e colocou o ser humano nela? Além disso, Deus deu a nós a capacidade de dominar a Terra e o dom de fazê-la produzir. Nem por isto, Deus se afastou da criação. Dia após dia, interessa-se por ela.

Considerando o ser humano, ele é tão importante, que Deus o criou conforme Sua imagem e semelhança, propondo repartir amor e comunhão com ele. Assim, deu ao homem a capacidade de pensar, avaliar, criar, produzir, entender, responder e, com liberdade, atender aos desejos divinos. Enfim, Deus criou o ser humano para viver com Ele!

Embora o pecado tenha separado o ser humano do seu Criador, o propósito original de Deus não foi alterado. Ainda há no Criador, a mesma vontade de manter comunhão, intimidade, de se relacionar com o ser humano de uma maneira particular.

O foco da atenção de Deus não é o universo. As leis que Ele estabeleceu, o faz funcionar perfeitamente. Mas, quanto ao ser humano, Deus enviou o próprio filho, Jesus Cristo: “Deus foi manifestado na carne, justificado no Espírito, visto pelos anjos, pregado entre as nações, crido no mundo, recebido na glória” (1 Tm 3.16). Ele agiu pessoalmente, tornou-se semelhante a nós, e fez ouvir a Sua voz. Ainda hoje, chama cada pessoa, para que, através do seu perdão, a comunhão interrompida seja restabelecida.

Temos muitas perguntas sobre o universo, mas nenhuma dúvida sobre o amor de Deus.

Meditação Do Dia – Juventude

Leitura: Eclesiastes 12.1-8

“Lembra-te do Teu criador nos dias de tua mocidade” (Ec 12.1).

Uma canção bastante popular entre os jovens, dizia sobre o desejo de ser eternamente jovem. Desejo típico de todas as gerações. Quem nunca ouviu falar da Fonte da Juventude? Os produtores cinematográficos já exploraram este tema, assim como os escritores.

A realidade, porém, é que quando se é jovem o tempo não é a maior preocupação, mas a realização. Parece que a juventude jamais vai acabar. À medida que o tempo passa, os adultos, geralmente, costumam aumentar os parâmetros da juventude, para nela se encaixar, o máximo possível. Deste ponto de vista, a juventude pode começar aos 17 ou 18 anos e se estender até onde a pessoa se vê como jovem. Todavia, o tempo é impiedoso. Como dizia o compositor “O tempo não pára no porto, não apita na curva, nem espera ninguém”. Chega para todos nós e, com ele, as marcas que deixa em cada um.

O autor do livro de Eclesiastes, o rei Salomão, contempla esta realidade. No início de seu reinado, Salomão já se destacava como alguém sábio, quando teve oportunidade de fazer um pedido a Deus. Ao invés de pedir eterna juventude, pediu sabedoria. Mesmo assim, com todo o sucesso que teve, Salomão não escapou de seus pecados, deixando a aliança que havia feito com Deus. Isto lhe custou muito caro.

Salomão descobriu que, somente um coração humilde e quebrantado diante de Deus, mantém uma pessoa estabilizada. Salomão viu que tudo na vida não passa de uma grande ilusão, “vaidade” , vazio, um constante correr atrás do vento. O conselho de Salomão é que, enquanto há forças, vale a pena gastá-las a serviço do Senhor.

Deus entende os jovens. Seu Filho já foi jovem também.

Meditação Do Dia – Pastor de ovelhas

Leitura: Jeremias 23.1-4

“Mas eu vou castigar vocês pelos maus procedimentos…” (Jr 23.2)

A Bíblia compara os filhos de Deus a ovelhas, um animal comum na Palestina.

Uma característica da ovelha é a falta de iniciativa, chegando a ser comparada à fraqueza, perdendo-se ou desviando-se facilmente. Sem pastor, a ovelha é animal impotente, a mercê de malfeitores. Incapaz de se defender daqueles que vêm para levar sua lã ou a própria vida. Neste sentido, a ovelha é símbolo de inocência, vítima dos espertalhões.

Por isso somos comparados às ovelhas e precisamos de um pastor habilitado em cuidar de ovelhas: “Senhor é o meu pastor, de nada terei falta. Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz a águas tranquilas; restaura-me o vigor. Guia-me nas veredas da justiça por amor ao seu nome” (SI 23.1-3). Jesus se apresenta como o Bom Pastor, aquele que dá sua vida pelas ovelhas (Jo 10). Por isso, precisamos dele como aquele que nos guarda. Por outro lado, precisamos fazer parte de Seu rebanho.

O profeta Jeremias trouxe dura palavra sobre os maus pastores, “que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto” (23.1). Como é possível pastores não se interessarem pela vida e segurança das ovelhas? Isto ocorre quando têm outros interesses além do cuidar das ovelhas. Não servem as ovelhas, mas se servem delas. Jeremias diz que o Senhor trará juízo sobre estes pastores que maltrataram as ovelhas do Senhor (23.2).

Há pastores que agem como donos das ovelhas, mas se esquecem que elas pertencem ao Senhor. Jesus é o modelo de pastor. Sabe como cuidar de cada ovelha, chama pelo nome, dá descanso, abrigo e as alimenta. Quem pertence a Ele, reconhece Sua voz.

Jesus, o bom pastor deu Sua vida pelas ovelhas (Jo 10.11).

Meditação Do Dia – O Coração

Leitura: Mateus 15.1-20

“…mas o seu coração está longe de mim” (Mt 15.8).

Imagine um homem justificando à sua esposa os problemas ocorridos depois de casados, argumentando com as palavras mais pronunciadas quando namorados — “Querida, você mora no meu coração”. O que ela não sabia é que ele usou a palavra “coração” no sentido que Jesus usou “dele saem os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, os falsos testemunhos e as calúnias” (Mt 15.19). Assim, a esposa não podia se queixar.

Parece engraçado, mas esta é a realidade — o coração, centro da vontade e emoções, é a parte mais complicada do ser humano. Todas as intenções, maus pensamentos, desejos de vingança, ódio, orgulho, inveja, malícia, brigas, hipocrisia e uma lista infindável de coisas ruins, estão lá arraigadas. Moram juntas, controlando a pessoa, escravizando e colocando-a em situações difíceis. Leva ao sofrimento, à dor, à ilusão e coopera na sua rápida deterioração.

Não foi à toa que o profeta Jeremias afirmou “O coração é mais enganoso do que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo?” (Jr 17.9). Impressiona saber que muitos cantores encorajam os jovens a seguirem o coração. Eles sabem o que estão sugerindo? Para o coração, só há uma saída: o transplante. O único jeito é pedir a Deus um transplante espiritual — um novo coração apto para ouvir e entender a Sua Palavra, sensível às necessidades dos outros e controlado pelo Espírito de Deus.

Não é apenas mudança de hábitos, mas do sistema de valores. O ponto de partida é o arrependimento e o perdão dos pecados em Cristo Jesus. Quer começar nova vida? Comece pelo coração!

O coração controla o homem, mas Deus pode controlar o coração.

Meditação Do Dia – Autoridades

Leitura: Romanos 13.1-7

“Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades…” (Rm 13.5).

O Brasil teve diversos sistemas de governo, desde a Proclamação da República em 1889. O marechal Deo-doro da Fonseca assumiu o Governo como Chefe do Governo Provisório. Até hoje, o exercício do poder tem sido discutido, por boa parte da população.

Quem não podia discutir muito sobre isso eram os cidadãos de Roma e, de forma especial, os cristãos. “César” foi o nome de uma dinastia de líderes romanos, sendo Júlio César o mais famoso deles (102-44 a. C.) Nos dias de Paulo, provavelmente, o César era Nero. A História traça um perfil muito ruim de Nero — insensatez, violência e maldade.

Ainda assim, as palavras de Paulo sobre o tema “autoridade” faz-nos pensar. “Todos devem sujeitar-se as autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus…” (13.1). Deve ter sido difícil para Paulo admitir que aquele “César” estava a serviço de Deus.

Os governos têm lugar nos propósitos de Deus (13.4). Porém, Paulo não disse que somos obrigados a concordar ou não com eles, mas sim, submetermo-nos à autoridade que possuem (1 Pe 2.13). Diz que devemos fazer “façam súplicas, orações, intercessões e ações de graça por todos os homens, pelos reis e por todos que exercem autoridade…” (lTm 2.1,2).

O que Deus espera dos governos? Justiça (Pv 14.34); não exploração dos pobres (Pv 22.22); afastar a corrupção (Pv 28.6); sensatez (Pv 31.1-9). A convicção religiosa dos governantes nunca foi problema para Deus. Ele mudou o coração pagão de Faraó e o do rei Davi. Ele os inclina para onde desejar (Pv 21.1) Exerça com liberdade e responsabilidade sua cidadania. Sua consciência é seu melhor conselheiro.

“Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra” — Jesus (Mt 28.18).

Meditação do dia – Insulto Fatal!

Leitura: 2 Reis 1.1-18

“…Acaso não há Deus em Israel? Por que você mandou consultar Baal-Zebube…” (2 Rs 1.16).

A questão da saúde sempre preocupa. Quando as notícias são as piores, o temor chega e instala-se no coração.

Assim foi com o rei Acazias. Seu reinado de 850 a 849 a. C. em Israel foi marcado pela tragédia. Bem que tentou, mas não conseguiu fazer aliança com o rei Josafá, de Judá. Israel vivia um período difícil e a política religiosa era desastrosa. O pior aconteceu quando Acazias caiu da janela de um quarto e acabou se machucando gravemente. Se as coisas já estavam complicadas, ficou pior ainda.

Se estivesse no Brasil, Acazias ouviria de seus conselheiros algo como “mas que fase, hem?” Nada dava certo.

Acazias tomou uma decisão que decretou seu fim. Queria saber se iria sarar. Mandou consultar Baal-Zebube, deus de Ecrom, cidade dos filisteus. Quando estamos em dificuldades, costumamos decidir de forma emocional, agarrando-nos a tudo que pareça ser solução.

Baal-Zebube significa “deus das moscas”. Acazias significa “O Senhor tem sustentado”. Que contradição! Que adianta confessarmos a Deus como nosso único Deus, se nas horas difíceis tomamos decisões contrárias à fé? Foi o que aconteceu com Acazias.

Elias, o profeta, interceptou os mensageiros e mandou o recado para Acazias — sua morte já estava decretada. Consultar adivinhadores foi uma afronta a Deus. Acazias morreu.

Será que, também, temos afrontado a Deus, buscando “soluções” que não resolvem, pelo contrário, depõem contra nossa fé? Como filhos de Deus, qual deveria ser nossa atitude nos casos de enfermidade, ou qualquer outra área? Confiar! Não há outra resposta.

Deus deseja ser nosso Deus em todas as horas. Ele quer ser, de fato, a nossa salvação.

Deus deseja ser nosso refúgio e fortaleza, mas o único.

Conselhos para economia nas compras

O supermercado oferece para a dona de casa inúmeras vantagens. A principal talvez seja o fato de não ter vendedores que constrangem, vigiam e obrigam a comprar rapidamente. A ausência do vendedor faz com que se possa escolher uma lata de palmito e pouco depois trocá-la por outra de marca diferente, sem necessidade de justificar a troca para ninguém.

Entretanto, ele exerce um grande fascínio, o que é perigoso, pois pode fazer com que se compre mais do que o necessário. Para evitar isso, é preciso conhecer algumas técnicas usadas pelos especialistas em vendas para obrigar as pessoas a comprar. Depois, é só precaver-se, já que comprar bem é uma forma de fazer economia.

CUIDADOS A TOMAR

A embalagem dos produtos é a primeira arma para convencer a comprar: entre dois produtos desconhecidos, escolhe-se o que atrai mais visualmente, seja pela cor ou forma em que ele é apresentado.

onde geralmente se localiza o frigorífico. Até chegar lá, é provável que ela não resista e pegue vários produtos que não pensava comprar. Po-de-se observar, também, que o arroz, o feijão, o óleo estão sempre nas prateleiras mais baixas, ficando os lugares de maior destaque para os produtos que não são de primeira necessidade (como sucos, molhos, conservas caras).

Outra técnica ensina que as prateleiras nunca devem estar vazias, pois ninguém leva a última lata de ervilhas pensando que ela está acabando porque é melhor. Todos comprarão a marca do lado, que chama mais a atenção pela quantidade.

É preciso saber também que tudo é planejado para tornar o lugar mais agradável, transformando o ato de comprar num prazer — e o supermercado no templo do consumo. Assim, as prateleiras cheias, bem arrumadas, coloridas e variadas, a suave música que toca baixinho induzem à compra. O próprio carrinho onde se colocam as compras, o fato de dirigi-lo, comandá-lo para onde se quer é um grande prazer, que satisfaz também à vaidade. E passear pelo supermercado com o carrinho abarrotado de compras é outro fator que envaidece.

A técnica do consumo dirigido não esquece as crianças: as prateleiras de brinquedos, doces e balas estão mais baixas, exatamente na altura dos olhos de uma criança e o adulto compra quase tudo o que ela quer para não ser atrapalhado.

PLANEJAMENTO CUIDADOSO

Depois de saber essas técnicas, a dona de casa estará mais capaz de resistir às compras supérfluas. Mas é preciso planejá-las, começando por um levantamento dos produtos para verificar qual o gasto semanal ou mensal de cada um.

Uma boa medida é anotar nas tampas das embalagens ou no fundo das latas a data em que foram compradas; quando o produto terminar, pode-se verificar quanto tempo durou e quanto sobrou, embora sua duração varie de acordo com o maior número de refeições ou com gastos inesperados.

Depois de fazer o levantamento, é conveniente ver o que é realmente necessário ou se determinado produto está sendo comprado apenas por hábito e sendo usado raramente.

É preciso também não se convencer apenas pelo que diz a propaganda de um novo produto: ele só deve ser adquirido quando supera as qualidades do que é usado habitualmente e não porque contém a substância X, que ninguém sabe o que é.

Fazer as compras apenas uma vez por mês tem uma desvantagem quando se tem empregadas: elas costumam desperdiçar, e um produto, comprado em quantidade suficiente para durar um mês, acaba bem antes.

O planejamento inclui um cuidado especial para que se equilibre o valor nutritivo de cada alimento e se tente variar, de modo a não cansar o paladar. Uma forma que ajuda a planejar bem os gastos de supermercado é preparar uma lista de cardápios para cada dia da semana, de forma a aproveitar as sobras.

Quanto às frutas e legumes, é preciso comprar aqueles que são da estação: embora se encontre os mesmos produtos o ano inteiro, sabendo-se a época da safra é certo que eles estarão mais baratos. Além disso, é importante saber o dia de renovação de estoque das frutas e legumes, procurando fazer as compras nesse dia.

Saber aproveitar as sobras dos mantimentos é outra forma de economizar. E as embalagens maiores — como pacotes de 5 quilos de açúcar, por exemplo — são mais baratas que pacotes pequenos. Mas isso não se aplica aos produtos perecíveis (como manteiga e queijo), que só podem ser comprados em pequena quantidade. Os farináceos (farinha de trigo, fubá, semolina, etc.) costumam mofar, se guardados por muito tempo.

Dentro da geladeira, deve-se distribuir os alimentos de acordo com a temperatura exigida por eles: as verduras devem ficar embrulhadas em plástico e guardadas na gaveta inferior para que o frio não queime suas folhas. Frutas e legumes se conservam melhor quando são limpos antes de colocados na geladeira, pois detritos e terra costumam estragá-los mais rapidamente.

As carnes de aves ou peixes devem ser limpas e livres de gordura, peles, penas e vísceras, o que evita que se estraguem.

CONSELHOS ÚTEIS

Antes de entrar no supermercado, é bom lembrar que:

1) Deve-se verificar outros supermercados, onde a mercadoria pode ter menor preço e melhor qualidade.

2) Limitar-se a comprar o que está planejado na lista e não pegar algo que seja supérfluo ou que não esteja planejado.

3) Evitar as horas em que o supermercado está mais cheio e movimentado, como no sábado pela manhã, porque o tempo que se perde é muito maior e a vontade de terminar logo as compras não deixa escolher os mantimentos com cuidado.

4) Um detalhe importante: quando se faz compras antes do almoço ou do jantar, a fome faz com que se escolham gulodices desnecessárias.

5) As ofertas de produtos do tipo “compre um e leve dois” podem não ser tão vantajosas quanto parecem. Mas, se a compra for compensa-dora, vale a pena comprar a mais, desde que o produto seja de uso frequente e não deteriorável.

6) Ao experimentar um novo produto, é bom preferir o de tamanho ou embalagem menor, porque, se ele não aprovar, o prejuízo será menor.

7) Sempre que possível, comprar alimentos de pouco uso na quantidade suficiente para uma receita, o que eliminará as sobras.

8) Os produtos deterioráveis costumam ter a data de fabricação marcada no rótulo: é importante verificá-la, para ver se eles não estão com o prazo esgotado.

9) Não comprar latas defeituosas ou estufadas, o que indica que o produto está estragado.

10) Em mercadorias vendidas por quilo é importante observar bem os ponteiros das balanças e verificar se o peso está correto.

11) É muito comum que a moça da caixa marque duas vezes a mesma mercadoria. Para que isso não aconteça, é necessário prestar atenção ao colocar as compras ao lado da caixa, mostrando cada item separadamente.